Agropecuária
Algodão tem recorde histórico na Bahia
17/11/2017 às 15h19

A produção agropecuária do Brasil em 2017, com base no resultado de outubro, já é de R$ 533,5 bilhões, 1,6% acima do valor de 2016, que foi de R$525 bilhões.

De acordo com pesquisa divulgada esta semana pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o valor segue superior ao do ano passado mesmo com as alterações dos últimos dois meses restantes, uma vez que a safra de 2016/17 está quase encerrada. O cálculo é baseado no valor bruto da produção agropecuária (VBP).

O algodão é o produto que mais se destacou em termos de faturamento, aponta o ministério, com aumento real de 73,565 em relação ao mesmo período do ano passado. Na Bahia, o faturamento da lavoura de algodão de 2017 é histórica, a maior do período de 10 anos em que a pasta realiza este levantamento: R$ 4.813.238.637, ante 1.990.741.002 do ano passado. O faturamento deste ano da região Nordeste é de R$ 5.416.111.040.

Leite

De acordo com a análise do Mapa, assim como o algodão, produtos como cana-de-açúcar, laranja, e mandioca, com respectivos aumentos em relação ao ano passado de 30,6%, 7% e 88,2%, se beneficiaram de aumento de preços, enquanto o milho, cuja lavoura cresceu 14,2%, se beneficiou do aumento de produção.

Ainda referente à safra produtiva do milho, o coordenador-geral de estudos e análises da Secretaria de Política Agrícola do Mapa, José Garcia Gasques destaca que o preço neste ano está em valores reais 26,3% menor do que em 2016. “O aumento do valor da produção deveu-se a maior produção obtida”, informou.

Gasques também indica que os baixos preços de diversos produtos é mais um fator que torna a atual safra “excepcional”. Segundo ele, os preços mais baixos reduziram o valor da produção de uma relação grande de produtos. “Para alguns, a redução real é superior a 40%: cebola, 47,5% e batata, 49%. Os preços na pecuária também encontram-se em níveis menores do que no ano passado, como da carne bovina e de frango”, destaca a assessoria.

Na pecuária, destaca o relatório do ministério, carne suína e leite lideram os melhores resultados de 2017. “Entre algodão, milho e leite, o leite é o que apresenta neste ano o pior desempenho. Isso ocorre devido a menores preços aos produtores e também por uma certa estagnação da produção agrícola”, ressalta o coordenador-geral.

Grãos

A atual safra de grãos é a maior que o país já obteve. Na análise de José Garcia Gasques, o aumento da produtividade em relação ao ano passado é estimado em 20%. “A safra de 2017 deve situar-se entre 238 e 242 milhões de toneladas”, ele informa.A Conab projeta redução percentual média de 5% e o IBGE, 8,9%.

Fonte: Jornal A Tarde