Agropecuária
Audiência Pública na ALBA debate produção de cacau na Bahia
05/09/2019 às 11h01

O futuro da lavoura cacaueira do estado foi discutido durante uma audiência pública na Assembleia Legislativa do Estado da Bahia (ALBA), em Salvador. O endividamento dos produtores rurais devido a praga da vassoura-de-bruxa, que devastou a produção do fruto de centenas de famílias, foi um dos temas discutidos durante o encontro. Agora, os produtores e o segmento privado esperam que o debate possa chegar até Brasília.

Durante a sessão, foi ressaltado também o potencial que a Bahia ainda possui na produção do cacau, com a expansão da lavoura para outras regiões, como Chapada Diamantina e Oeste, além da forte produção do chocolate gourmet, mel e geleia.

“Nós já temos tecnologia para produzir o cacau, temos condições de sermos competitivos, independente do modelo de produção, seja ele cabruca, pleno sol ou agroflorestal. O produtor precisa ter acesso à tecnologia e o crédito é fundamental. O alinhamento entre o segmento privado e a classe política é importante nesse processo. A audiência aconteceu em boa hora e estamos confiantes, contando com o apoio dos deputados para que eles possam fazer o encaminhado do pleito”, disse o vice-presidente administrativo financeiro da Faeb, Guilherme Moura.

A iniciativa de colocar o tema em discussão foi da Comissão da Agricultura e Políticas Rurais da Alba em parceria com a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado da Bahia (FAEB). O próximo passo é encaminhar as pautas para a Ministra da Agricultura, Tereza Cristina, com o apoio de Nelson Fraga, superintendente da Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco), da CNA, e dos deputados federais. É importante ressaltar que a proposta inicial para a renegociação foi feita pela CNA, em 2018.

Os produtores estão otimistas e esperam que as questões cheguem até a pasta federal o mais rápido possível para que a cadeia produtiva possa voltar a se desenvolver.

“Um encontro muito importante porque joga luz a um problema que precisa ser resolvido com urgência para que possa ser feita a recuperação da produção da região. Os empresários sofreram um grande golpe com a praga e é preciso que as lideranças sentem à mesa para buscar soluções. Aqui, por exemplo, a produção caiu cerca de 20%”, comentou o presidente do Sindicato dos Produtores Rurais do município de Santo Amaro, Paulo Silva dos Santos.
O debate foi acompanhado por oito presidentes de Sindicatos dos Produtores Rurais das cidades de Ibicaraí; Ipiaú; Cairu; Coaraci; Itajibá; Ilhéus e Barro Preto.

Fonte: Ascom Sistema Faeb