Agropecuária
Brasil tem grande potencial de produção e exportação no agro
04/10/2019 às 14h59

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) participou dos debates do 8º Fórum Lide de Agronegócios, promovido pelo Grupo de Líderes Empresariais em Ribeirão Preto (SP), na sexta (4).

A superintendente de Relações Internacionais da CNA, Lígia Dutra, foi uma das expositoras no debate "Abertura Comercial e Perspectivas para o Agronegócio" ao lado do secretário especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, Marcos Troyjo, e do professor sênior de Agronegócio Global do Insper, Marcos Jank.

Lígia Dutra falou sobre o potencial de crescimento da produção e da diversificação das exportações para novos mercados e de mais produtos, como os lácteos.

“Precisamos preparar nossos produtores para exportar. A CNA já vem desenvolvendo um projeto nesse sentido, mas precisamos criar um modelo que organize também os pequenos e médios produtores, que pode ser feito através do cooperativismo," destacou.

Ela reforçou que é necessário olhar para mercados promissores como Ásia e Oriente Médio, que possuem consumidores exigentes e dispostos a investir nos produtos brasileiros.

"Nossa pauta de exportação ainda é muito concentrada em commodities. Por isso temos de entender a dinâmica global e elaborar uma estratégia para fora”.

A superintendente acredita que para o Brasil alcançar patamares mais altos na exportação de produtos lácteos, por exemplo, é importante atrair investimentos para o setor. Além disso, Lígia afirmou que também é necessário resolver problemas básicos como sanidade.

“Precisamos assumir o ônus, tanto o produtor quanto o Estado. O mercado mundial mudou. Ou a gente compete como os grandes, ou está fora. Podemos ter o protagonismo, mas precisamos pensar coletivamente.”

Ela pontuou ainda outros setores que também são prioritários no projeto de internacionalização do agro promovido pela CNA como café, mel, frutas e peixes.

"Mel ainda é um produto em falta no mundo. Então, o quanto a gente produzir, vai ter mercado, mas precisamos preparar o produtor, ter certificação. No caso do café, temos potencial para os especiais. Com o acordo Mercosul/União Europeia que retirou a escalada tarifária, poderemos industrializar o produto porque fazer esse processo hoje no Brasil ainda é muito caro. Ou seja, a indústria competitiva faz o agro competitivo. Por isso, vamos trabalhar e olhar nossos problemas de frente."

O Fórum Lide de Agronegócios reúne anualmente líderes empresariais, pesquisadores, investidores e autoridades públicas para debater soluções para o desenvolvimento nacional do setor.

Assessoria de Comunicação CNA