Agropecuária
Oficina virtual apresenta ações do projeto Paisagens Rurais
29/10/2020 às 09h16

As ações do projeto Paisagens Rurais foram apresentadas, na quarta (28), durante uma oficina online de monitoramento promovida pelo Programa de Investimento Florestal (FIP) no Brasil.

O Paisagens Rurais vai beneficiar quatro mil propriedades rurais do bioma Cerrado nos estados da Bahia, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Tocantins, com Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) gratuita do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar).

Está prevista a contratação de 200 técnicos de campo. Desse total, 70 profissionais já foram contratados, participaram de treinamentos e iniciaram as atividades de acompanhamento técnico e gerencial.

Para o assessor técnico do Senar, Rafael Diego Costa, a experiência do Senar no desenvolvimento do projeto ABC Cerrado para a transferência de tecnologias de baixa emissão de carbono contribuirá para a execução dessa nova iniciativa.  

“Em projetos como esses é importante programar etapas de validação em campo para que os produtores rurais absorvam o conhecimento e coloquem em prática a adoção de tecnologias para o desenvolvimento rural da paisagem”, destacou.

A agência de cooperação técnica alemã GIZ é a responsável pelo gerenciamento do projeto, que prevê a adoção de práticas de conservação e recuperação ambiental produtiva em sete mil hectares, além do uso de tecnologias de baixa emissão de carbono em mais 100 mil hectares.

O assessor técnico da instituição, Adolfo Dalla Pria, destaca o apoio à regularização ambiental de imóveis rurais para incentivar uma gestão integrada na paisagem e gerar impactos positivos no fluxo hidrológico.

“Os trabalhos de assistência técnica e gerencial estão sendo orientados para atender as áreas de bacias identificadas e priorizadas para a recuperação de pastagens e de vegetação nativa”, ressaltou.

Sobre o Paisagens Rurais

O projeto Paisagens Rurais é financiado com recursos do Programa de Investimento Florestal (FIP em inglês) que são gerenciados pelo Banco Mundial. A coordenação é do Serviço Florestal Brasileiro e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) com parceria da Agência de Cooperação Técnica Alemã (GIZ), Senar, Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTI), por meio do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), e Embrapa.

Assessoria de Comunicação CNA