Agropecuária
Senar capacita equipes de assistência técnica de quatro estados em gestão de riscos na cafeicultura
15/05/2019 às 07h51

Técnicos, supervisores e coordenadores da Assistência Técnica e Gerencial do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) em Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia e Rondônia participam na terça (14) e na quarta (15), em Brasília, de um treinamento sobre gestão de riscos de preços na cafeicultura.

O curso é ministrado pela equipe da Superintendência Técnica da CNA e vai preparar os técnicos do Senar para auxiliar os produtores rurais, por meio da assistência técnica, a diminuir o impacto da oscilação nos preços do café e evitar potenciais prejuízos.

“É muito importante trabalhar a gestão e a mitigação de riscos, planejamento e mercado futuro na cadeia do café. É uma cadeia mais sensível e, com a assistência técnica, o produtor poderá trabalhar a questão do planejamento financeiro dele, tanto de custo de produção quanto de receita,” afirma o diretor da Assistência Técnica do Senar, Matheus Ferreira.

Os principais temas trabalhados na capacitação foram inovação e mercado de capitais, cafeicultura e gestão de riscos, análise econômico-financeira, análise de mercado, noções básicas de formas de comercialização, formação do preço do café, formas de comercialização e derivativos, mercados futuro, termo e opções.

“Quanto mais informação, mais previsibilidade o produtor tiver na cadeia produtiva, mais segura vai ser sua operação. Com mais segurança ele vai obter os ganhos da atividade e a assistência técnica está aí para isso, para capacitar esse produtor, para dar mais segurança no seu negócio e o técnico vai orientá-lo nos melhores procedimentos”, ressalta Ferreira.

Para Cristiane Veronese, coordenadora da ATeG no Senar Espírito Santo, o curso vai ajudar a equipe técnica a sanar algumas dúvidas do produtor quanto à comercialização do café.

“Quando a gente fala de gestão da propriedade, os produtores reclamam porque querem saber como vender e obter lucro com sua produção. Aqui a gente vai conseguir entender e passar para nossos produtores o que é melhor fazer e ajudá-lo a tomar as decisões.”

Henrique Frederico Santos, supervisor da ATeG no Senar Minas acredita que diante das oscilações do mercado, tanto de insumos quanto de cafés, é necessário que o produtor tenha acesso a novas estratégias de comercialização.

“Já trabalhamos com assistência técnica e ensinamos a parte gerencial para o produtor, mas ele ainda peca na questão da comercialização. Então, nós precisamos passar para eles novas estratégias de comercialização para tentar melhorar a rentabilidade do nosso produtor.”

Segundo o coordenador técnico da ATeG no Senar, Eduardo Gomes de Oliveira, com o conhecimento adquirido no treinamento, os técnicos terão condições de simular, de acordo com cada realidade de custo, o melhor momento de vender seu café, a quantidade a ser vendida para cobrir seus custos e maximizar suas margens.

As técnicas ministradas no curso serão aplicadas já nas próximas visitas às propriedades rurais atendidas pela assistência técnica do Senar.

Assessoria de Comunicação CNA